Este portal não manipula bolinho de perfis, mas usa a autenticação de cookie para técnico, de navegação e outras funções. Navegação, você aceita receber cookies no seu dispositivo. Ver as informações de todo
Italian Inglês French Portuguese espanhol

11 - O SENTIDO DO ALIMENTO

  • Autor: PROF. MARINO NIOLA

A Dieta Mediterrânea vem de muito longe: do mundo grego, latino e de toda a antiga bacia do Mediterrâneo e é uma dieta que tem suas raízes na religião visto que, para os homens antigos, o alimento era considerado sacro, um dom dos Deuses.
Na base da Dieta Mediterrânea estão três elementos, a chamada Tríade Mediterrânea: trigo, óleo e vinho. Cada um desses três elementos é ligado a um dom de Deus. O trigo é ligado à Deusa Demetra, que vem de “de-meter”, ou seja, a “mãe de tudo”, a mãe da colheita, da vegetação, a deusa mais próspera, que tem o ventre inchado como o de uma mulher e que produz sempre uma nova colheita. Já o óleo é o dom de Atenas, que é a filha de Zeus, o rei dos Deuses, e é a virgem por excelência. Os gregos a chamam Parthenos, ou seja, “virgem” e esta virgem, curiosamente, nos deu o extravirgem: o óleo, para ser bom, tem que ser extravirgem. Para presentear o óleo aos homens, Atenas faz uma competição com Poseidon, o deus do mar, porque os dois estavam disputando a posse da região Ática (que depois é aquela de Atenas) e os dois deixam um dom na frente da assembléia dos Deuses que depois irão decidir quem venceu dando um veredito final. Poseidon oferece a Atenas a cidade que está para nascer e o domínio sobre os mares, um ótimo dote dada a posição marítima da Grécia, enquanto Atenas oferece um ramo de oliveira e os deuses decidem que é ela a vencedora. Assim nasce um dos elementos base da Dieta Mediterrânea, mas nasce, também, o símbolo da democracia ocidental, daquela cidade que se tornou símbolo da democracia. Não por acaso, ainda hoje, em volta da acrópole de Atenas, existe o bosque sagrado das oliveiras da Deusa que, por nenhuma razão, pode ser tocado e os jovens atenienses se comprometiam a defender a pátria jurando sob as oliveiras, como uma coisa sagrada.
O terceiro elemento é o vinho que é dado de presente a Dionísio, o deus que vem de longe, o deus estrangeiro que chega ao mundo grego levando um pouco de agitação, exatamente como faz o vinho, que leva um pouco de emoção, de renovação, de fermento, um fermento divino em todos os sentidos. Justamente através deste fermento os homens conhecem outra parte de si e aprendem a socializar através do vinho, tanto é que no mundo Mediterrâneo antigo o simpósio, o beber juntos (da palavra “sin posis”, que quer dizer “beber juntos”) era um ritual de socialização, no qual as pessoas bebiam juntas vinho com água (porque não é necessário beber muito), um blend que se tornava o emblema daquela mistura que está na base da civilização. Porque também a cidade, a civilização e a comunidade são um blend de várias humanidades que se misturam, exatamente como o vinho se mistura. Nós somos filhos de tudo isso, a nossa civilização mediterrânea moderna, mesmo que tenha mudado, deriva fundamentalmente desta grande Tríade.


Meddiet - O portal da dieta mediterrânea é um projeto da Università degli Studi di Roma Unitelma Sapienza. Projeto realizado com a contribuição do Ministero delle politiche agricole alimentari e forestali - Decreto Ministerial n. 93824 de 30 dezembro de 2014.

Viale Regina Elena, 295 - 00161 Roma
Tel. 06-81100288 Fax 06-6792048
PI 08134851008
Política de Privacidade