Este portal não manipula bolinho de perfis, mas usa a autenticação de cookie para técnico, de navegação e outras funções. Navegação, você aceita receber cookies no seu dispositivo. Ver as informações de todo
Italian Inglês French Portuguese espanhol

Alimentação

  • Segunda-feira, abril 27 2015
Alimentação

A dieta mediterrânea é um modelo nutricional completo e balanceado, capaz de combinar tradições culinárias antigas, um estilo de vida saudável e a cultura do respeito e da partilha.

Para traduzir este tesouro do cotidiano dos povos mediterrâneos, dietistas, médicos e nutricionistas elaboraram a pirâmide alimentar, um instrumento para indicar com praticidade e imediatismo um modo correto de alimentação. A pirâmide é baseada na divisão dos alimentos segundo o grupo de nutrientes necessários para o organismo ao qual pertence e a um critério quantitativo que considera as porções diárias recomendadas: inicia-se da base da pirâmide, onde se encontram os alimentos que constituem a base da dieta e que devem ser consumidos todos os dias, até chegar ao vértice, onde estão os alimentos que devem ser consumidos com moderação, em ocasiões especiais.

Ao pé da pirâmide alimentar da Dieta Mediterrânea estão os produtos de origem vegetal que, fornecendo os nutrientes chaves, garantem uma alimentação balanceada e devem ser consumidos mais vezes e em maiores quantidades: cereais (uma ou duas porções por refeição de massa, pão, arroz, cuscuz ou outro, preferivelmente de grão integral para manter os altos valores nutritivos) fruta (uma ou duas porções por refeição), verdura e hortaliças (seja no almoço que no jantar, ou então duas porções por refeição, e ao menos uma porção crua), todos ricos de antioxidantes, fibras, vitaminas e sais minerais. As refeições devem ser também acompanhadas de um importante consumo de água (1,5-2 litros por dia) para garantir uma adequada hidratação e o correto funcionamento do organismo, assim como não deve faltar o óleo de oliva, fonte fundamental de lipídios, sobretudo na sua variante extravirgem, aconselhado seja como condimento que para cozinhar.

Subindo na pirâmide encontramos os alimentos que devem ser consumidos diariamente: os produtos lácteos magros como o iogurte e queijos (ricos de gordura insaturada), especiarias, ervas aromáticas, alho e cebola (para dar sabor à comida e satisfazer o paladar evitando o uso excessivo de sal). Enfim, um consumo moderado de vinho e bebidas fermentadas (um copo para as mulheres e dois copos para os homens ao dia, possivelmente durante as refeições) não só é concedido como muito recomendado.

Um degrau acima, no nível intermediário, encontramos carne branca (duas porções), carne vermelha (menos de duas porções, se possível magra) e embutidos (menos de uma porção), peixe (duas porções ou mais), ovos (de duas a quatro porções) e legumes (mais de duas porções); esses últimos compreendem também as batatas, que resultam um eficaz acompanhamento para as refeições, junto com os cereais, e substitutas ideais para as carnes. Por quanto esta faixa mediana seja importante, considerando a quantidade de proteínas animais e vegetais que é em grau de garantir, a frequência desses alimentos deve ser semanal e não diária, visto que não representam a estrutura principal da dieta mediterrânea.

Enfim, no ápice da pirâmide e, então, entre os alimentos que devem ser consumidos somente ocasionalmente, estão aqueles caracterizados por uma relevante quantidade de açúcares e gorduras saturadas, como os doces, as balas, os sucos de fruta açucarados e os não alcoólicos, que devem ser consumidos em pequenas quantidades e deixados para ocasiões especiais.

Os alimentos, e as respectivas quantidades que devem ser consumidas, não exaurem a pirâmide alimentar da Dieta Mediterrânea, cujo objetivo é incluir ao seu interno elementos sociais que trazem um estilo de vida saudável e a tutela dos fatores culturais e ambientais. Às indicações nutricionais devemos adicionar, portanto, outros elementos que ajudam a aproveitar ao máximo os benefícios da Dieta Mediterrânea, entendida como patrimônio de uma identidade milenar que une países e povos, traduzida em concreto modo de viver e de ser: a socialização e a partilha das refeições, sinônimo de abertura, respeito e diálogo; a moderação vista como equilíbrio interior e exterior e controle de si mesmo; o cozinhar como prática rica, que requer amor e dedicação; o respeito dos tempos da natureza para colher os melhores frutos sem alterar o ambiente; uma atividade física alternada com um suficiente repouso para contrabalancear os ritmos cada vez mais caóticos e sedentários dos nossos tempos. O resultado é um hábito, uma prospectiva e uma energia capazes de contrastar doenças crônicas e de incidir positivamente sobre a qualidade de vida.

Meddiet - O portal da dieta mediterrânea é um projeto da Università degli Studi di Roma Unitelma Sapienza. Projeto realizado com a contribuição do Ministero delle politiche agricole alimentari e forestali - Decreto Ministerial n. 93824 de 30 dezembro de 2014.

Viale Regina Elena, 295 - 00161 Roma
Tel. 06-81100288 Fax 06-6792048
PI 08134851008